Login / Logout

Blog & Notícias

Solidão: Um Mal Necessário?

Solidão desde sempre temida, sinónimo de tristeza e angústia. Mas o que é a solidão? É necessariamente má?

A Solidão ao contrário de que possa parecer inicialmente, não é estar só ou isolado do mundo, isto é, o sentimento de solidão, pouco ou nada tem a ver com a realidade objetiva, fora de nós. A solidão é um estado subjetivo, implicando um sentimento de vazio e isolamento. É muito mais que querer uma companhia ou a realizar uma atividade em conjunto, é uma procura de transformação sentimental.

A solidão é então uma busca de transformação sentimental, normalmente com ajuda de outro ou outras pessoas. Consequentemente o sentimento de solidão e angústia só desaparecerá, na companhia das pessoas que conseguirem fazer-nos essa transformação sentimental. Perante todas as outras embora acompanhados, continuaremos a sentir-nos sozinhos.

É compreensível que a solidão não se deve a fatores externos, mas sim a fatores internos. O sentimento de solidão depende do nosso interior e não do número de amigos que temos ou o número de pessoas que estão à nossa volta. Não é assim tão raro, estar no meio de uma multidão e continuar a sentir a solidão.

Na solidão, encontramo-nos necessariamente com nós próprios e com tudo o que somos, não virá daí o sentimento de angústia e vazio, bem como a necessidade de encontrar alguém que nos distraía de nós próprios?

A forma como lidamos com a solidão, pode ser um reflexo inconsciente de como lidamos com os nossos próprios defeitos, aceitamo-los ou evitamo-los.

“O homem se torna autêntico quando aceita a solidão como o preço da sua própria liberdade. E se torna inautêntico quando interpreta a solidão como abandono, como uma espécie de desconsideração de Deus ou da vida em relação a ele. Com isso abre mão de sua própria existência, tornando-se um estranho para si mesmo, colocando-se a serviço dos outros e diluindo-se no impessoal. “Jadir Lessa

Quando formos capazes de aceitar a solidão com lucidez, sem sentimentos de angústia e vazio, teremos sido capazes de nos aceitar a nós próprios.

Aceitar a solidão com lucidez, não desvaloriza de forma alguma a necessidade e prazer das relações humanas. Pelo contrário, só conseguiremos aceitar o outro genuinamente, depois de nos aceitarmos a nós próprios, logo ao conseguirmos aceitar a solidão com lucidez, seremos capazes de aceitar melhor os outros. Contudo, não devemos usar as relações, como meio dissipar o sentimento de solidão, afastando-nos de nós próprios.

Podem eventualmente questionar, argumentando com que as pessoas que sofrem com solidão possuem 5 a 10 vezes um risco maior que serem hospitalizadas por distúrbio mental, incluindo psicose. Pergunto agora o que acontece quando não aceitamos e negamos continuamente a realidade, principalmente a realidade de nós próprios? A Psicose por definição é:  “perda de contacto ou negação com a realidade”. Esses distúrbios mentais não terão origem na negação de nós, das nossas ideias, das nossas experiência?

E você, o que acha da solidão?

Temas relacionados: A Importância da Psicologia ;Psico-somáticas: Doenças e Sintomas ; Psicologia Clínica e a Relação Terapêutica ; Deus: Acreditar ou não Acreditar ; 9 Dimensões para Desenvolver a Criatividade; 12 Crenças Irracionais de Ellis ; Efeito Placebo: Conheça este Incrível Efeito ; Excesso de Peso: Origem Psicológica? ;Amizade: Importância Psicológica e Características

Siga-nos no Facebook , no Twitter ou no Google+

Autor: Jorge Elói

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

COPYRIGHT © 2021 · TODOS OS DIREITOS RESERVADOS